Ter um bom preparo financeiro é essencial para realizar um grande sonho, como trocar de carro ou comprar a casa própria. Afinal, é preciso poupar e juntar recursos para alcançar esses objetivos. Então, faz sentido pensar na construção de poupança para chegar mais longe.

Contudo, não é necessário se prender à economia tradicional de recursos, em busca de grandes valores para efetuar a compra. Em vez disso, há como se apoiar no consórcio como forma de comprar com planejamento e melhores condições.

Quer saber como isso é possível? Veja como iniciar a sua poupança e descubra o papel de um consórcio nesse processo!

Como começar a montar a sua poupança?

Para ter um montante financeiro reservado, é preciso se planejar e tomar decisões consistentes com esse objetivo. Portanto, o melhor é entender quais são os passos que levam o seu orçamento nessa direção. Confira!

Faça um diagnóstico do seu orçamento

Para começar, é importante saber em qual situação está o seu dinheiro. Assim como um médico precisa fazer uma avaliação completa antes de oferecer um tratamento, você deve realizar uma análise sobre as suas finanças.

Comece verificando o quanto você realmente ganha. Muita gente considera apenas o salário bruto e se esquece de todos os descontos. Então, colocar na ponta do lápis ajuda a reconhecer qual é a sua situação financeira e quais são as suas possibilidades.

Também é fundamental pensar no lado oposto, o que significa conhecer os seus gastos. Ao entender quais são as suas saídas, há como identificar se gasta mais do que ganha, por exemplo.

Livre-se das dívidas existentes

Depois de diagnosticar a sua situação financeira, o próximo passo rumo à construção de poupança envolve lidar com as dívidas. Afinal, todo empréstimo existente no seu orçamento funciona como se fosse um ralo financeiro: o dinheiro sai todos os meses, mas você não recebe nada em troca.

Portanto, para trabalhar com um orçamento limpo e pronto para a economia, o ideal é eliminar as dívidas existentes ou substituí-las por dívidas mais baratas quando não for possível quitá-las.

Veja quais são os débitos, os valores, as datas e os juros envolvidos. Em geral, é melhor quitar primeiro as que são mais caras (ou que têm juros maiores) e, em seguida, as mais antigas.

Inclusive, vale a pena procurar os credores para negociar condições melhores, como descontos para a quitação à vista. Quanto mais cedo você eliminar essas saídas, mais próximo estará da sua poupança.

Monte um planejamento financeiro

Após fazer o reconhecimento geral da situação e de se livrar das dívidas, é o momento de criar um plano de ação rumo à poupança. Para isso, é preciso elaborar um planejamento financeiro completo.

Nesse caso, você pode definir metas de economia e de resultados desejados para as finanças, como o quanto deseja juntar ou o que pretende adquirir. Junto disso, é interessante estabelecer ações, como a conquista de renda extra ou a redução de certas despesas.

A criação de um orçamento também é essencial. Ela serve para definir como o dinheiro deve ser distribuído entre as várias obrigações e áreas do seu cotidiano. Considere despesas fixas e variáveis e não se esqueça de pensar nos imprevistos que podem acontecer.

Reveja seus hábitos e seu padrão de vida

A construção de poupança exige algumas adaptações para que seja possível juntar dinheiro. Por isso, o seu planejamento financeiro também deve ser acompanhado de algumas mudanças relevantes no seu cotidiano.

É importante pensar, por exemplo, nos seus hábitos. Comer fora várias vezes por semana gera mais custos que se alimentar em casa. Se a intenção for economizar, vale repensar.

Também é preciso entender melhor o que você consome de lazer e entretenimento, como os seus gastos são distribuídos e até se faz compra por impulso. Mudanças nesse sentido já podem garantir um alívio para o orçamento.

Além disso, pense que criar a sua poupança não tem que ser uma tarefa difícil ou cheia de desafios. Em vez de passar por privações continuamente, faz sentido repensar o seu estilo de vida.

Com algumas adaptações, você consegue manter o nível de conforto e bem-estar, mas gasta menos. O ideal, inclusive, é ter um padrão de vida abaixo do que a sua renda pode oferecer, pois isso permite gerenciar as finanças com tranquilidade.

Controle todos os gastos

Montar o planejamento financeiro não é o passo final ou definitivo, assim como fazer as mudanças. É preciso garantir que os novos hábitos realmente se consolidem ao longo do tempo.

Então, uma solução consiste em realizar um controle completo dos gastos. Registre todas as despesas, por menores que pareçam, e identifique o destino dessa saída.

A intenção é saber qual a rota que o seu dinheiro tem seguido e se os objetivos são atendidos conforme o planejado. Dessa maneira, você pode corrigir algo que não tenha sido previsto no planejamento ou mesmo rever algumas atitudes quanto às finanças.

Mantenha o foco nos objetivos

Anteriormente, você viu que a construção de poupança não precisa ser uma tarefa quase impossível e repleta de desafios e sacrifícios. No entanto, é necessário se comprometer com o processo para alcançar os objetivos. Então, disciplina e consistência são fundamentais.

A dica é manter o foco no que você deseja alcançar, no que pretende adquirir e qual é o caminho até lá. Assim, é possível aproveitar ao máximo as oportunidades e criar a poupança que vai ajudá-lo a realizar isso.

Como o consórcio pode ajudar na construção de poupança?

Mesmo aplicando todas as dicas, pode parecer difícil dar o primeiro passo e realmente começar a poupar. Buscar formas de construir a sua poupança pode incluir recorrer ao consórcio.

Essa modalidade de compra tem se tornado mais popular por suas características e pode ser a ferramenta ideal para seguir rumo à realização dos seus planos. Então, nada melhor que conhecer suas qualidades, certo?

A seguir, veja como o consórcio é capaz de ajudar na construção de poupança e entenda tudo sobre a alternativa!

Como funciona?

Primeiramente, é importante saber que o consórcio é uma modalidade de compra planejada e coletiva. Diversas pessoas com objetivos comuns se reúnem em um grupo, gerenciado por uma administradora.

Todos têm como objetivo adquirir um bem ou serviço, o que é representado pela carta de crédito. A partir do início do grupo, todos os participantes pagam as parcelas acordadas. Nas assembleias, que costumam ser mensais, há um sorteio que garante, no mínimo, uma contemplação. Quem é contemplado recebe o direito de usar o dinheiro da carta de crédito.

A contemplação também pode acontecer por meio de lances, o que aumenta as chances dos participantes. Todos, até os contemplados e que adquiriram os bens, devem continuar o pagamento até o final do grupo. No encerramento, todos foram contemplados e agora têm seus bens.

Quais são as vantagens?

Em termos de construção de poupança, o consórcio pode ser muito vantajoso e trazer um caminho mais simples até a sua aquisição de interesse. Um dos motivos é que ele pode oferecer acesso antecipado ao bem.

Na poupança tradicional, deve-se juntar todo o dinheiro (ou, no mínimo, o valor da entrada) para realizar a compra ou financiamento. Com o consórcio, você pode ser contemplado mais cedo e aproveitar o bem mesmo sem ter todo o dinheiro em mãos.

Em termos de planejamento financeiro e construção de poupança, é uma forma de se manter consistente e comprometido a poupar. Afinal, tem que fazer o pagamento todo mês para manter a cota ativa. Então, o hábito é mais facilmente incorporado à sua vida.

Além disso a gama de grupos de consórcio é bem grande e as possibilidades são várias. Com isso, você pode escolher o que deseja adquirir, qual o valor da carta de crédito e em quantas vezes pretende pagar.

Quais são os pontos de atenção?

Apesar de todos os aspectos positivos, é crucial ter atenção com alguns pontos sobre os consórcios.

A primeira questão consiste em entender que o acesso ao bem pode não ser imediato. Tudo depende de sorte ou dos lances que você puder dar. Então, é preciso encará-lo como uma solução com foco no futuro e na construção de poupança para realizar sonhos lá na frente.

Também é imprescindível garantir que o pagamento das parcelas esteja de acordo com as suas possibilidades. Planejar esse pagamento com segurança faz toda a diferença para realmente conseguir arcar com os valores.

Não menos relevante, é necessário escolher um consórcio legalizado e com a devida autorização do Banco Central. A seleção da administradora também faz a diferença para obter segurança nesse processo.

E se você mudar de ideia?

Embora o consórcio seja uma boa alternativa, pode ser que ele deixe de fazer sentido para você em algum momento após a contratação. Nesse caso, você pode ficar tranquilo e vender a sua cota para a Consorciei.

Somos capazes de realizar uma avaliação justa, e você pode transformar a sua participação no grupo em dinheiro na conta para concluir planos específicos.

Na hora de iniciar a construção de poupança, você pode usar o consórcio como solução para economizar todos os meses rumo ao seu sonho. Além de tudo, é possível aproveitar os pontos positivos dessa modalidade e cuidar melhor do seu orçamento!

Achou essas dicas úteis? Então, compartilhe o post nas suas redes sociais e mostre para os amigos!